Temer derruba investimentos e traz Brasil de volta à estagnação dos anos 90

0

Estudo inédito da Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão de pesquisa ligado ao Senado Federal, mostra que o golpe parlamentar que alçou Michel Temer ao Poder fez o Brasil retroceder à década de 1990 em relação ao investimento público.

Segundo o levantamento, divulgado nesta segunda-feira, 13, pela BBC Brasil, o investimento de todos os governos estaduais somados caiu de R$ 57,8 bilhões em 2014 para R$ 28,7 bilhões acumulados em 12 meses até junho de 2017.

De 1994 a 2000, o investimento médio dos Estados ficou em R$ 30,6 bilhões por ano, em valores corrigidos. O investimento dos Estados deve fechar este ano em 0,4% do PIB, que é a soma de tudo que o país produz. Em 2014, a cifra era de 1%.

Segundo economista Rodrigo Orair, diretor da IFI, o mesmo deve se repetir no governo federal e nos municípios. A preocupação com a queda do nível de investimento não deveria ser só de economistas. A falta de investimentos em geração e distribuição de energia ao longo dos anos 1990, por exemplo, fez com que o país enfrentasse um racionamento severo de energia elétrica de julho de 2001 a fevereiro de 2002. O episódio ficou conhecido como crise do “apagão”.

Para 2018, a previsão é de queda ainda maior nos investimentos públicos. É que só no ano que vem que as contas públicas sofrerão os efeitos mais drásticos do Novo Regime Fiscal, conhecido como “PEC do Teto”. A PEC do Teto determina que as despesas públicas só podem crescer até o limite da inflação do ano anterior. Como em 2016 a inflação estava relativamente alta (6,29%, segundo o IBGE), o efeito de compressão do Orçamento foi pequeno.

Os investimentos da União previstos na lei de 2017 eram de R$ 129,1 bilhões. Em 2018, cairão para R$ 98,6 bilhões (24% menor). Algumas das áreas mais afetadas, segundo Gil Castelo Branco, da ONG Contas Abertas, serão o saneamento básico (32% a menos); o ministério da Educação (37% a menos) e o DNIT (ligado ao ministério dos Transportes), com 25% a menos.

Fonte: Brasil 247

Compartilhe.

Sobre o autor

Deixe um comentário