Brasil Educação Entrevista Politica

WEINTRAUB AGRIDE ELEITORES E DIZ QUE QUEM SABE LER E ESCREVER NÃO VOTA NO PT

 

Em sua primeira entrevista, o ministro da Educação ataca os eleitores do Partido dos Trabalhadores: “Uma pessoa que sabe ler e escrever e tem acesso à internet não vota no PT”, diz Weintraub, para quem o partido é um “inimigo” que deve ser impedido de voltar; as opiniões do novo ministro são reveladoras de que o obscurantismo vai continuar sendo o principal ingrediente da ação do MEC durante o governo Bolsonaro; o contraste com as forças democráticas e progressistas é flagrante: enquanto o PT lançou um professor universitário, o candidato de Weintraub, hoje presidente, tem uma postura anti-intelectual

 

247 – Em sua primeira entrevista, o ministro da Educação ataca os eleitores do Partido dos Trabalhadores: “Uma pessoa que sabe ler e escrever e tem acesso à internet não vota no PT”, diz Weintraub, para quem o partido é um “inimigo” que deve ser impedido de voltar. As opiniões do novo ministro são reveladoras de que o obscurantismo vai continuar sendo o principal ingrediente da ação do MEC durante o governo Bolsonaro.

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, o novo ministro explicita seu alinhamento com a direita: “O presidente Jair Bolsonaro é uma bandeira. Atrás dessa bandeira, há vários grupos: monarquistas, militares, evangélicos, liberais e olavistas”.

Ataca o PT e o comunismo. Ressalvando que não é “caçador de comunista”, afirma que quer a “redenção dele”, “confrontar com força, mas ideologicamente, verbalmente”. Para ele o PT é “movimento totalitarista obscurantista [que] busca destruir a história”.

Weintraub diz que ficará vigilante a “tudo que sair” do Ministério, como livros didáticos, e estará atento a “sabotagens”.

Sobre a pasta, o novo ministro diz que Bolsonaro pediu “para entregar resultado, gestão”.

Leia a íntegra