Resiliência LGBTI

0

Ofensiva ultraconservadora contra os direitos de homossexuais e transexuais é um retrocesso democrático que deve ser combatido por toda a sociedade

Após décadas de avanço no reconhecimento social e proteção legal de seus direitos, a comunidade LGBTI tem agora motivos para se preocupar pela regressão que ocorre em países tão importantes como o Brasil, os Estados Unidos, a Rússia e a Turquia, levada a cabo por seus principais dirigentes. Fruto da luta dos coletivos LGBTI, mais de 30 países reconhecem, por exemplo, o direto dos transexuais a decidir sua identidade e poder se inscrever no registro civil de acordo com o gênero sentido. Mas nos Estados Unidos, onde se estima que exista 1,4 milhão de transexuais, Donald Trump começou a reverter as medidas adotadas por Barack Obama favoráveis a esse coletivo. Proibiu, por exemplo, com exceção de casos muito excepcionais, que possam servir nas Forças Armadas e trabalhar no Departamento de Saúde, pretende aprovar antes do final do ano uma mudança legal em que os transexuais só poderão se registrar com o gênero que corresponde aos genitais com que nasceram. E isso será considerado imutável.

Também é muito grave o clima de homofobia desatado no Brasil após a vitória de Jair Bolsonaro, que ao longo de sua vida fez declarações tão infelizes como afirmar que preferiria um filho morto a um filho homossexual. Os ataques de seus seguidores ficaram mais fortes durante a campanha. O clima encorajado pelo discurso homofóbico do novo presidente se transformou em um perigo à integridade dos que são vistos por seus seguidores como doentes e perturbados. Na mesma linha reacionária estão as leis impostas por Putin para limitar a liberdade de expressão do coletivo homossexual para que os jovens “não se contaminem” com “a ideologia e a propaganda homossexual”. Com o Governo de Recep Tayyip Erdogan, a Turquia foi ainda mais longe ao considerar que a homossexualidade e a transexualidade são contrárias aos valores tradicionais e uma ameaça à saúde pública, o que levou a prefeitura de Ancara a proibir qualquer ato público da comunidade LGBTI.

Tudo isso faz parte de uma ofensiva das forças ultraconservadoras contra o que denominam “ideologias de gênero”, nas quais incluem o feminismo. Devemos confiar na resiliência da comunidade LGBTI, que se fortaleceu em sua tenaz luta pela conquista de seus direitos civis, mas seria um erro considerar que esse é um assunto de responsabilidade somente dos que pertencem a esses coletivos. Um retrocesso nos diretos civis de qualquer minoria é um retrocesso nos diretos de toda a sociedade. Justamente porque afeta um dos valores centrais da democracia, a liberdade, todos devemos nos envolver na defesa dos avanços conquistados, e isso exige o firme repúdio de qualquer expressão que fortaleça a homofobia e a transfobia.

Fonte –  El Pais

Compartilhe este artigo.

Sobre o autor

Deixe seu comentário