Brasil Internacional Poder Politica

LIBÉRATION: BOLSONARO SOFRE DE ‘INCONTINÊNCIA DIGITAL’

 

análise do editor-chefe do jornal francês Libération, publicado na edição desta sexta-feira (8). Em “Bolsonaro, golden shower e a incontinência digital”, Laurent Joffrin divagou sobre o quanto o uso desenfreado das redes sociais expõe a “banalidade” intelectual de certos governantes; “Parece que os brasileiros perceberam que, votando em qualquer um, deixamos o eleito dizer qualquer coisa e governar de qualquer jeito”, escreve o editor do Libération

 

Da RFI  – A publicação de um vídeo obsceno pelo presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, continua a repercutir na imprensa internacional. O tuíte motivou um artigo de análise do editor-chefe do jornal francês Libération, publicado na edição desta sexta-feira (8). Em “Bolsonaro, golden shower e a incontinência digital”, Laurent Joffrin divagou sobre o quanto o uso desenfreado das redes sociais expõe a “banalidade” intelectual de certos governantes.

“Já sabíamos que Bolsonaro sofria de incontinência digital há muito tempo – ele fez disso a sua arma de campanha -, que ele era adepto de declarações grosseiras, racistas, homofóbicas e antidemocráticas. Agora, ele acrescenta à sua coleção a escatologia: o verbo populista progride continuamente”, afirma o texto.

O artigo começa com a ironia de que Bolsonaro, “mais uma vez, se distinguiu por sua elegância e seu delicado sentido de nuance”, e observa que a redução do Carnaval a uma prática “ultraminoritária” não agradou à maioria dos brasileiros. “O vídeo foi julgado indigno de um chefe de Estado – e isso é o mínimo que podemos dizer”, completa.

Joffrin ressalta que a popularidade de Bolsonaro vem despencando nas pesquisas de opinião pública, passando de 60% de aprovação, quando foi eleito, para 39%, após “o discurso calamitoso e ridículo que ele pronunciou no Fórum de Davos”.

“Parece que os brasileiros perceberam que, votando em qualquer um, deixamos o eleito dizer qualquer coisa e governar de qualquer jeito”, escreve o editor do Libération.

Tema de programa jornalístico francês

O tema também não foi ignorado pelo programa jornalístico Quotidien, que vai ao ar em horário nobre no canal TMC. Ancorado pelo famoso apresentador Yann Barthès e marcado por ironizar a atualidade, o programa da noite de quinta-feira (7) sugeriu que, ao “atacar o Carnaval, maior evento cultural do Brasil e a maior festa popular do mundo”, o presidente reagia às críticas que recebeu desde o início das festividades, seja nos blocos de rua e ou nos desfiles das escolas de samba.

A reportagem detalhou o samba-enredo político da Mangueira, vencedora do Carnaval do Rio, e exibiu diversas imagens de foliões cantando ofensas a Bolsonaro, “o Donald Trump tropical”, lembrou.

Quotidien julgou ainda que publicação do vídeo significa mais um ataque homofóbico de Bolsonaro, antes de relembrar polêmicas declarações do presidente sobre os homossexuais.

Print Friendly, PDF & Email

Faça um comentário

Clique aqui para fazer um comentário