Politica

Criado por distritais, grupo de trabalho ainda estuda alternativas ao reajuste de passagens no DF

Comissão se reuniu nesta quinta pela primeira vez, mas não fechou propostas. Secretário defendeu reajuste; associação comercial disse que medida prejudica empresários

O grupo de trabalho montado pela Câmara Legislativa do Distrito Federal para discutir os aumentos nas tarifas de ônibus e metrô se reuniu pela primeira vez na tarde desta quinta-feira (5), mas ainda não conseguiu avançar na apresentação de alternativas. No encontro, distritais, representantes do GDF e de movimentos sociais reprisaram argumentos que já vinham sendo apresentados nos últimos dias.

O secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno, voltou a defender o reajuste no DF. Segundo ele, o preço das passagens estava congelado há dez anos na capital e não acompanhou o aumento do salário dos rodoviários e nem a inflação acumulada da época. “O reajuste e necessário para a manutenção do sistema”, disse.

Já o presidente da Associação Comercial do DF, Cleber Pires, defendeu que há outros meios de manter o sistema, sem a necessidade de mexer nas tarifas. De acordo com Pires, o reajuste onera os empregados e funcionários de Brasília. “Apresentamos o projeto do estacionamento rotativo, que pode render R$ 1 bilhão ao GDF e o governo não fez nada. Falta gestão”.

Ainda de acordo com Pires, com o reajuste de tarifas, a cada 20 funcionários, o empresário deve gastar com o salário de mais um empregado por conta do aumento das passagens. “O cidadão que vai pagar a conta. Isso vai causar demissões”, declarou.

Sessão extraordinária

O presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle (PDT), convocou para a próxima quinta (12) uma sessão extraordinária entre os parlamentares para tentar derrubar do decreto de Rollemberg. De acordo com ele, a equipe técnica da Casa estuda meios legais para barrar a medida.

Parlamentares da Mesa Diretora e de lideranças partidárias na Câmara se reuniram duas vezes nesta semana com o governador para discutir o reajuste, mas não houve acordo. A Câmara sugeriu uma suspensão temporária da medida até que a Casa encontre uma solução para o impasse – a proposta foi descartada por Rollemberg.

De acordo com o governador, sem o reajuste, o sistema de transporte do DF entrará em colapso em março deste ano. Para ele, só é possível repensar em reduzir as passagens se os deputados concordarem em limitar o direito de gratuidade do serviço concedido a estudantes de escolas particulares.

Preocupado com o desgaste político, o governador interrompeu as férias e voltou às pressas a Brasília na segunda. Segundo a assessoria do Buriti, o político viajou na tarde de domingo para Aracaju (SE), onde pretendia encontrar familiares que já estavam reunidos e em férias. A previsão inicial era de que ele retornasse ao DF no próximo dia 9.

Questionamentos

Nesta quarta (4), o presidente regional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF), Juliano Costa Couto, pediu explicações ao governador Rodrigo Rollemberg sobre o aumento das tarifas de ônibus e metrô. O ofício foi enviado nesta quarta (4) ao Palácio do Buriti e não estabelece prazo para o envio das informações (leia a íntegra do documento).

Os valores passaram de R$ 2,25 para R$ 2,50 nas linhas circulares e alimentadoras do BRT (aumento de 11%); R$ 3 para R$ 3,50 (aumento de 16%) em linhas metropolitanas “curtas”; e de R$ 4 para R$ 5 (aumento de 25%) no restante das linhas, além do metrô.

As novas tarifas estão entre as mais caras do país. Na comparação com o primeiro semestre de 2015, a tarifa mais cara já acumula alta de 66%. Segundo o governo, com o reajuste, a estimativa é de economizar R$ 180 milhões.

A nova tabela foi anunciada no último dia útil de 2016, sob a justificativa de que esta é a única saída do governo para manter o sistema de transporte público funcionando. Segundo o GDF, o reajuste deve cobrir as gratuidades oferecidas a estudantes, idosos e deficientes. O Buriti diz subsidiar 50% dos custos do sistema.

Este é o segundo aumento nas passagens ocorrido na gestão do governador Rodrigo Rollemberg, que assumiu o Buriti em 2015. O anterior ocorreu em setembro do ano passado e gerou protestos. Até então, os valores do tíquete de ônibus eram os mesmos desde 2006 e os de metrô, desde 2009.

Publicado por: G1