Politica

Bolsonaro usa fake news para agredir e promover linchamento de jornalista

Cercado por todos os lados, desde a desarticulação política de seu governo até a denúncia de desvio de fundo partidário que sangra seu partido, Jair Bolsonaro volta a fazer uso de fake news para atacar a imprensa. No Twitter, Bolsonaro replicou a nota do site ‘Terça Livre’ (pró-governo) que atribuiu à jornalista Constança Resende a intenção de “arruinar Flávio Bolsonaro e o governo”, supostamente vazada a um jornalista francês. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a frase jamais foi dita.

A reportagem do ‘Estadão’ detalha a falsa fonte usada por Bolsonaro: “a suposta declaração, que aparece entre aspas no título do texto do Terça Livre, foi atribuída pelo site à repórter Constança Rezende. A frase teria sido dita, segundo ‘denúncia’ de um jornalista francês citado pelo Terça Livre, em uma conversa gravada em que a repórter fala da cobertura jornalística das movimentações suspeitas de Fabrício Queiroz, ex-motorista do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).”

A gravação do diálogo, no entanto e segundo o jornal, deixa claro que Constança em nenhum momento fala em “intenção” de arruinar o governo ou o presidente. O diálogo, em inglês, tem frases truncadas e pausas. Foram divulgados só trechos pelo site. Num desses trechos, a repórter avalia que “o caso pode comprometer” e “está arruinando Bolsonaro”, mas não relaciona seu trabalho a qualquer “intenção” nesse sentido.

A matéria do jornal O Estado de S. Paulo ainda destaca que “grupos governistas promoveram no Twitter uma série de postagens nas quais acusaram o Estado de ‘mentir’ na cobertura do caso Flávio Bolsonaro. Às 20h51min, o próprio presidente publicou o seguinte texto no Twitter: ‘Constança Rezende, do ‘O Estado de SP’ diz querer arruinar a vida de Flávio Bolsonaro e buscar o Impeachment do Presidente Jair Bolsonaro. Ela é filha de Chico Otavio, profissional do O Globo. Querem derrubar o Governo, com chantagens, desinformações e vazamentos’.”

Confira abaixo o tweet criminoso de Bolsonaro: 

Fonte: Brasil 247