Acabou a punheta

0

 

 

O que estará pensando o  eleitor brasileiro (ou não está pensado?) ao eleger deputados sem qualquer qualificação para o exercício de um mandato nas casas legislativas?

Leis esdrúxulas são apresentadas aos montes nas diversas casas de leis espalhadas por esse “Brasil veio sem porteira” como diz o popular. Sem porteira era sabido, mas  parece agora sem controle mesmo.

Com tantos problemas a serem solucionados, eis que nos surge, de alagoas,  das praias  lindas, das lagoas, dos coqueirais, uma ilustre deputada, eleita pelos meus queridos conterrâneos, preocupada com a masturbação dos adolescentes. Sim, isso mesmo, punheta dos adolescentes.

A masturbação vai ser proibida por lei. Diz a  deputada, é um tema “impróprio ou complexo” para crianças ou adolescentes.  Complexo mesmo é saber que o erário paga as idas e vindas dessa parlamentar e seus assessores para propor  essa tão elaborada lei.

Imprópria  a masturbação sempre foi. Quem não se lembra da história que masturbação fazia criar cabelo nas mãos? Mas para que existia gilete, se fosse o caso né?  Agora,  complexo ? Qual a complexidade que tem uma bronha?

Nos meus tempos idos, imagine, tinha até campeonato! Sim campeonato, o que se ganhava? Claro! O prazer! Sim éramos adolescentes, as moças, virgens,   e se elas  deixassem tal condição, o provocador da novidade, tinha que casar com a “perdida”  seriam elas assim chamadas se não casasse com o seu estreante. Não  se podia ir na zona;  e tinha os que não eram afeitos ao troca-troca;  qual era a saída?  Punheta. Detalhe, nunca tivemos notícias de professores  ensinando como se debelar tal complexidade. Nada disso. Há quem diga que tal informação já vem no HD (hard disk). Tal prática é  tão comum que é praticada até por animais. Veja aqui e aqui.

Tô defendendo a punheta?  Ela não precisa de defesa, se defende por si só.  Ao contrário do povo brasileiro, que está provando que precisa sim ser tutelado, ou tratado, afinal com o comportamento  assaz estranho dos últimos tempos estou para pedir que nos brindem com o “Mais Psiquiatra”  “Mais Psicólogo”  “Mais Filósofos”  “Mais Professores” ou talvez o mais importante deles: “Menos Políticos”.

Estamos vivendo uma das mais sérias crises da nossa história, e a parlamentar preocupada com a sexualidade solitária juvenil. É se não se tem nada pra propor, se propõe qualquer coisa, o importante é tá na mídia, afinal temos pela frente uma reeleição né? Cadê o dinheiro do pre-sal que IA (do verbo ir) pra educação? Foi retirado né? Deveriam usar para “qualificar” esses parlamentares que se arvoram de fiscais  “ROLAS E PREGAS”  de terceiros.

Estão tirando nossos direitos trabalhistas, sociais e ainda querem tirar o nosso direito à punhetinha diária?

Compartilhe este artigo.

Sobre o autor

Deixe seu comentário