Politica

A carapuça de Bolsonaro

Segundo reportagem do site Brasil 247, os advogados de Jair Bolsonaro perderam o prazo  no  Supremo Tribunal  Federal – STF contra o deputado Federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) e estão pedindo ao tribunal a reabertura do processo onde alegam que  Wyllys teria ofendido a honra do então também deputado Jair Bolsonaro. O curioso do processo é que o reclamado na fala que gerou o tal processo, não citou o nome do  reclamante em momento algum, mas se referia a “um deputado fascista e burro”.

Parece que a carapuça serviu pro Jair.

Veja a matéria na íntegra logo abaixo:

 

BOLSONARO TENTA DESARQUIVAR QUEIXA CONTRA JEAN WYLLYS
LUIS MACEDO

Os advogados de Jair Bolsonaro perderam o prazo e a ação foi arquivada em novembro do ano passado pelo Supremo Tribunal Federal (STF); Bolsonaro diz que em uma entrevista, o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) teria cometido crime contra a sua hora, apesar do parlamentar não ter mencionado sequer o seu nome, apenas se referiu a um deputado “fascista” e “burro”.

 

247 – Numa tentativa de criar uma cortina de fumaça para encobrir o Bolsogate, os advogados de Jair Bolsonaro (PSL-RJ) apresentaram recurso nesta segunda-feira (10), pedindo que o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), reconsidere o arquivamento de uma queixa apresentada em agosto do ano passado por ele contra o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) por injúria e calúnia.

 

A ação foi arquivada em novembro do ano passado porque os advogados do então deputado Bolsonaro perderam o prazo. Bolsonaro diz que Jean Wyllys teria cometido crime contra a honra durante entrevista transmitida ao vivo em rede social mantida pelo jornal “O Povo”.

Bolsonaro vestiu a carapuça de “fascista” e “burro”, pois segundo os advogados, mesmo que Jean Wyllys não tenha mencionado o nome dele, a entrevista deixava claro que se tratava de Bolsonaro. A conclusão dos advogados é porque Jean teria se referido a alguém filiado ao PP, que é o antigo partido de Bolsonaro