O problema está na incapacidade de diálogo do Executivo

0

Deputados reagem a insinuações do Palácio do Buriti de que seriam responsabilidade da Câmara Legislativa, em função da obstrução de votações, os atrasos dos pagamentos a fornecedores. “O processo de obstrução de votações é uma ferramenta legítima adotada por legislativos de todo o mundo para forçar uma busca de soluções e diálogo, e não pelo mero atendimento de pressões impostas pelo Executivo”, diz a Mesa Diretora, em nota. Conforme os deputados, a Casa tem procurado “de todas as formas” intermediar esse dialogo entre o governo e várias categorias de servidores. E diz que a atual gestão tem “incapacidade ou dificuldade de dialogar”. Isso, conforme o texto, é que tem levado várias categorias a paralisações “e não o processo legislativo legal”.

Transferência

O texto divulgado pela Mesa Diretoria diz ainda que os problemas de caixa do Executivo têm raiz na “desorganização administrativa”. A Câmara, diz o comando da Casa, rechaça qualquer tentativa de atribuir ao Legislativo falhas, incongruências e desvios do próprio Executivo.

A obstrução

Em função da falta de diálogo com os policiais civis, que reivindicam aumento salarial, os deputados decidiram obstruir toda e qualquer votação de projetos de interesse do Executivo, até que o governo dê encaminhamento à demanda da categoria.

Safadão

Foi de um jeito bem despojado que o deputado distrital Robério Negreiros (PSDB) anunciou a chegada do sábado, no Instagram, no último fim de semana. “Sabadão. Modo safadão ativar” era o que estava escrito no card que ele compartilhou. Em seguida, postou foto com a mulher, Flavia, no Rio de Janeiro.

Tentativa de conversas

Até o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP) entrou em campo para ajudar na negociação do professores da rede pública do DF com o governo. Ele, assim como a deputada federal Erika Kokay (PT-DF) participa de uma comissão criada para mediar o impasse – a categoria está em greve há quase um mês.

Reunião com o gov
“São evidentes os danos à sociedade de Brasília, em particular à juventude escolar e, por extensão, às suas famílias, com o prolongamento desse impasse”, diz manifesto elaborado pela comissão, que deve se reunir com o governador Rodrigo Rollemberg, antes da próxima assembleia do Sindicato dos Professores do DF, marcada para amanhã.

Em movimento

A Estrutural foi a região administrativa escolhida pela Câmara Legislativa para a primeira oficina preparatória do Câmara em Movimento – tem sessão itinerante lá no próximo dia 27. Com o evento, realizado no sábado, técnicos da Casa deram aula sobre participação social no processo legislativo. No encontro, as lideranças comunitárias elegeram 10 pautas prioritárias para a região, como inclusão de Santa Luzia aos projetos da Estrutural, escrituras definitivas para os moradores, criação de Casa de Apoio LGBTT’S e enfrentamento da violência doméstica e do trabalho infantil.

Acompanhamento

Após a sessão, o objetivo do projeto é acompanhar os desdobramentos dos itens aprovados por mais seis meses. A meta da ação implementada pelo presidente Joe Valle (PDT) é alcançar 60% de atendimento às demandas.

Por: Jornal de Brasília

Compartilhe.

Sobre o autor

Deixe um comentário