Geral

PGR PODE INVESTIGAR FRAUDE DE CUNHA NO CONSELHO DE ÉTICA



Segundo o deputado Betinho Gomes (PSDB-PE), o objetivo do pedido de investigação sobre a suposta falsificação de assinatura do deputado Vinícius Gurgel (PR-AP), integrante do Conselho de Ética, na PGR é buscar esclarecimentos e, "se comprovada [a falsificação], tem que cassar o mandato dele"; além de tucanos, também devem assinar a representação à PGR deputados do PPS, PSOL, PSB e PT

Adversários do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pretendem levar à Procuradoria-Geral da República (PGR) o caso da suposta falsificação de assinatura do deputado Vinícius Gurgel (PR-AP), integrante do Conselho de Ética, para tentar barrar o processo de cassação contra o peemedebista.

Segundo o deputado Betinho Gomes (PSDB-PE), o objetivo é buscar esclarecimentos e, "se comprovada [a falsificação], tem que cassar o mandato dele", segundo reportagem de Raphael Di Cunto. Além de tucanos, também devem assinar a representação à PGR deputados do PPS, PSOL, PSB e PT.

Uma reportagem da Folha de S.Paulo, publicada hoje, diz que peritos confirmaram que a assinatura do deputado Vinícius Gurgel (PR-AP) é falsa na carta em que ele renuncia à vaga de titular no conselho. De acordo com a reportagem, a assinatura é uma "falsificação grosseira e primária".

Gurgel, aliado de Cunha, não estava em Brasília na madrugada em que o conselho aprovou por 11 votos contra 10 o parecer do relator Marcos Rogério (PDT-RO) pela continuidade das investigações contra Cunha. Para garantir que um dos votos continuasse com seu partido, o PR, Gurgel renunciou à vaga para que a legenda indicasse um outro nome.

O deputado Maurício Quintella Lessa (AL) foi indicado depois que a carta de Gurgel chegou ao conselho. Lessa votou a favor de Cunha.

Faça um comentário

Clique aqui para fazer um comentário