Geral

Haddad sobre crise no MEC: O presidente não tem pulso para demitir e o ministro não tem vergonha na cara

Fernando Haddad, neste sábado (23), apontou que a maior crise pela qual passa o governo de Jair Bolsonaro é no MEC. Com o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, desautorizado a nomear integrantes da sua própria equipe e podendo cair a qualquer momento, o ex-prefeito de São Paulo foi categórico: “o presidente não tem pulso para demitir e o ministro não tem vergonha na cara para demitir-se”.

“O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, foi desautorizado a nomear integrantes da sua própria equipe. A ordem partiu do Palácio do Planalto, depois de o professor colombiano divulgar dois nomes para a secretaria executiva da pasta, em seguida vetados pelo presidente Jair Bolsonaro”, informa a jornalista Lígia Formenti, sobre o caos instalado no Ministério da Educação.

“Desgastado, Vélez tenta se manter no cargo, mas é intensa a movimentação para que um substituto seja encontrado. Enquanto avalia a situação, Bolsonaro decidiu assumir a condução para o desfecho da crise do MEC. Um exemplo da falta de respaldo de Vélez foi a tentativa frustrada de nomear a pastora Iolene Lima como secretária executiva. Ela foi desconvidada para o posto nesta sexta-feira, 22, após sua indicação ter sido vinculada à primeira-dama, Michelle Bolsonaro. As duas frequentam a mesma igreja”, aponta ainda a jornalista, em reportagem publicada no Estado de S. Paulo.

Fonte: Brasil 247