Cultura Geral Sociedade

Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha está 81% concluído

Macacos hidráulicos que irão içar os cabos da cobertura do Estádio Nacional de Brasília começaram a ser testados em São Paulo e chegam a Brasília em novembro

Brasília, 29 de outubro de 2012 – A construção do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha segue em ritmo acelerado: 81% de sua execução foi finalizada. Agora, a obra segue para mais uma etapa: a montagem da cobertura.

Parte dos equipamentos necessários chegou a São Paulo já começou a ser testado. Fabricados na Inglaterra e na China, os 48 macacos hidráulicos, que irão içar os cabos que sustentarão a cobertura, estão sendo calibrados e inspecionados por técnicos da Inglaterra, do Consórcio ganhador da licitação e da Novacap. Até o fim da semana, todas as peças serão testadas para, então, serem transportadas para a capital federal.

Cada um dos macacos hidráulicos será responsável por erguer um dos 48 cabos de sustentação, fixados nas placas-base que já estão sendo instaladas no anel de compressão. Os macacos têm 2,5m de altura e capacidade para erguer até 110t de carga.

O içamento dos cabos será feito de forma automatizada para garantir a geometria circular da cobertura, além da sincronia e da precisão necessárias. Em seguida, serão montadas e instaladas as treliças, que formarão a base para a colocação da membrana da cobertura.

Propriedades especiais – A cobertura do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha é uma das inovações tecnológicas que a obra exibirá. Funcionando como sistema de “roda de bicicleta invertida”, ela é composta por uma estrutura tensionada com cabos e treliças metálicas, revestida por uma membrana que cobrirá todos os assentos do estádio.

A membrana, de 90 mil m², é autolimpante, permite a passagem de luz natural, retém o calor e, ainda, retira a poluição do ar. A estrutura chegará ao Brasil em dezembro.

Quando em contato com o sol, ela é capaz de retirar da atmosfera gases poluentes equivalentes ao produzido por cerca de mil veículos por dia. A água da chuva também será captada pela cobertura e pelo piso permeável em volta do estádio. Depois, será armazenada em cinco cisternas e em um lago que fará parte do paisagismo no entorno da arena. A água não potável será utilizada nos vasos sanitários e mictórios, na irrigação do gramado e na lavagem em geral. O sistema todo armazenará 6,84 milhões de litros de água. Isso representa 80% da demanda de água do estádio e equivale a encher duas  piscinas olímpicas e duas semiolímpicas.

O anel de compressão também terá importante papel na questão da sustentabilidade. Construído em concreto, facilitará a instalação das placas fotovoltaicas, responsáveis pela captação da energia solar. Serão dispostas 9,6 mil placas, com capacidade para gerar 2,5 megawatts de energia, o que corresponde ao abastecimento de cerca de 2 mil residências por dia.

Ecoarena –  Dessa forma, o estádio caminha para ser o primeiro na história a receber o certificado máximo de sustentabilidade. O selo Leed Platinum ― entregue após a conclusão da obra ― é reconhecido internacionalmente e garante que a construção é altamente sustentável. Hoje, nenhum estádio de futebol no mundo possui o selo Platinum.

O conceito de arena verde começou ainda na criação do projeto. São usados materiais recicláveis ou reciclados na construção. Tudo o que saiu do antigo estádio foi reaproveitado na própria obra ou em cooperativas de reciclagem do Distrito Federal. Depois de pronto, haverá utilização dos ventos, captação de energia solar e de água da chuva.

Multiuso – O estádio terá assentos marcados e retráteis, a uma distância inicial de apenas 7,5m do campo de futebol. Este, por sua vez, foi rebaixado 4,8m de sua altura original, permitindo maior visibilidade para todo o público. Todos os assentos estarão protegidos do sol e da chuva pela cobertura.

Construído como arena multiuso,  o estádio é adaptado  para a realização de grandes eventos nacionais e internacionais. A arena passará por licitação para que uma empresa especializada em entretenimento o administre e garanta um calendário de eventos, aquecendo, assim, o setor de serviços, como bares, hotéis, restaurantes e taxistas. Dessa forma, haverá geração de emprego e renda, melhorando  a qualidade de vida da população. Atualmente, 4 mil operários trabalham na obra, divididos em três turnos.

Para o Governo do Distrito Federal, a oportunidade de realizar a abertura da Copa das Confederações (2013) e receber o número máximo de jogos da Copa do Mundo (2014), sete ao todo, é um potencializador de investimentos em obras de infraestrutura, qualificação profissional e desenvolvimento do turismo, que ficarão como legado para a capital.

Legado que já pode ser percebido. Por ser sede da Copa, Brasília receberá do governo federal cerca de R$ 3 bilhões em obras de mobilidade urbana, infraestrutura e segurança, o que comprova o poder transformador dessas competições.

O Estádio também está em local privilegiado, a cerca de 3km dos setores Hoteleiro e Hospitalar, do Centro de Convenções e do Parque da Cidade. Isso possibilita que a Copa em Brasília seja de fato verde, realizada a pé ou por meio de ciclovias.

Print Friendly, PDF & Email

Faça um comentário

Clique aqui para fazer um comentário