Geral

Debate com estudantes do DF

IMAGENS 22 04 2014 por sérgio francês 034

 

“Eu quero ter o voto de vocês. Mas falando a verdade, para assim, ganhar a confiança da juventude”, afirmou o candidato ao Senado, Magela 133, em debate com estudantes do ensino médio, na Escola Parque 308 Sul. Nesta manhã de sexta-feira (19), Magela reafirmou uma de suas principais propostas: o voto facultativo. E disse aos jovens que para uma democracia ser completa, é necessário que o eleitor escolha se quer ou não votar. “Se vota por consciência e não por obrigação. O eleitor deve sentir-se representado”, afirmou.

Leandra Santos, estudante do 3º ano do ensino médio, é favor do voto facultativo e diz concordar com Magela a respeito. “É bom quando um candidato se dirige aos jovens, como faz Magela. A gente se sente representada”, explicou.

Já o professor e orientador educacional, Antônio Carlos Xavier, do Ced 2 do Cruzeiro, elogiou a iniciativa da Regional de Ensino do Pano Piloto e Cruzeiro. “Eu acho

uma excelente iniciativa da Regional. É preciso trazer os alunos para perto da política. Acredito que deveriam ter mais debates”, enfatizou.

Mediado pelo jornalista João Carlos Bertolucci, o debate contou com a presença de cerca de 300 estudantes do ensino médio, das escolas Paulo Freire, Setor Leste, Setor Oeste, Cean, Ced 1 e Ced 2 do Cruzeiro. Magela parabenizou os organizadores e lamentou a ausência de alguns candidatos, o que classificou como “desrespeito” ao eleitor. Além de Magela, apenas os candidatos Robson, Sandra Quezado e Aldemário compareceram ao debate. Bertolucci disse que “para sentar em uma cadeira do Senado, é imprescindível conversar com a população diariamente”.

As regras do debate foram apresentadas no início. O mediador sorteava o tema e depois, uma escola e dois candidatos, para fazer a pergunta e respondê-la, respectivamente. Um mesmo candidato não poderia ser sorteado duas vezes para responder sobre o mesmo tema. Cada candidato teve três minutos para apresentar sua visão sobre determinados temas. Magela teve a oportunidade de abordar alguns outros assuntos.

Habitação

Sobre habitação, Magela afirmou que para se construir moradias, é necessário estudos técnicos para se definir quais áreas serão utilizadas, já que o programa dirigido por ele na Secretaria de Habitação e Desenvolvimento Urbano (Sedhab), o Morar Bem é uma parceria do GDF com o  governo federal. “Já construímos muitas moradias no Distrito Federal. Mas novas construções vão começar. Nós [o GDF] entramos com terra e urbanização e o governo federal, com o financiamento junto ao banco”, explicou.

Sobre regularização, Magela  disse que em algumas cidades, como por exemplo, no Sol Nascente, o GDF trabalhou para regularizar os terrenos, pois acredita que não se expulsa as pessoas de suas casas, sem antes dialogar e procurar outros meios de se resolver as irregularidades. Mas ressaltou que no governo petista, as invasões no DF foram coibidas. “Trabalhei junto com Agnelo e Dilma, para que as pessoas tivessem onde morar e que novas areas não precisassem serem invadidas”, disse.

Magela lembrou também que os custos dos imóveis são bem menores para os beneficiários dentro do programa Morar Bem / Minha Casa Minha Vida do que em financiamentos comuns, feitos diretamente nos bancos.

Corrupção

Os alunos mostraram que fizeram o dever de casa e questionaram aos candidatos sobre “troca de favores e favorecimento político”. Magela foi aplaudido ao explicar parte da Reforma Política, encabeçada pelo Partido dos Trabalhadores. Uma das propostas da Reforma, é o financiamento público de campanha que inibe condutas de corrupção durante e depois das campanhas eleitorais. “Com o financiamento público de campanha, não teremos mais grandes empresas manipulando as campanhas e os candidatos eleitos terão que levar consideração o que é interesse da população e não de empresários”, afirmou.

Transporte

Sobre transporte, Magela explicou que, são necessárias ações em conjunto o passe livre para estudantes também aos fins de semana, para que o jovem possa ter acesso à cultura, o que considera, uma maneira de educar os jovens. “Eu sou a favor sim do passe livre. E para a juventude, é preciso muito mais, pois, vocês [alunos] são o futuro desse país”, ressaltou. O candidato ao Senado elogiou os alunos que participaram do evento, lhes dando “nota dez”, pela participação, consciência política e elaboração das perguntas.

 

 

Print Friendly, PDF & Email

Faça um comentário

Clique aqui para fazer um comentário