GDF Geral Politica Publicidade

Campanha para divulgar GDF: ciumeira, cisma e outdoor de Ibaneis

Lilian Tahan Gabriella Furquim

Uma campanha inusitada está dando o que falar. Não exatamente entre o público alvo, os brasilienses. Mas no meio publicitário. Há poucos dias, diversos equipamentos de mídia externa passaram a exibir peças promovendo a cidade e o próprio governador Ibaneis Rocha (MDB).

Ao notar a ostensiva divulgação, o mercado se alvoroçou. Seria a primeira campanha do novo governo. Mas o entusiasmo durou tanto quanto a expectativa de o parque da Disney vir para Brasília: quase nada.

A campanha, estimada em R$ 1 milhão, ficou restrita a empresas de mídia out of home (OOH), com divulgações em painéis do aeroporto e paradas de ônibus. Uma ciumeira entre as empresas com outras modalidades de anúncio.

Ofício assinado pela secretária de Turismo, no entanto, informa que a campanha foi 100% bonificada. Caiu a ciumeira e entrou a pulga atrás da orelha.

Em tese, apenas uma treta de bastidor. Mas, na prática, a Secretaria de Turismo pode ter criado uma saia justa para o próprio governador, ao estampar outdoor em que Ibaneis figura ao lado dos seguintes dizeres: “Uma nova Brasília recebe um novo Brasil”. O engenho publicitário está na saída do aeroporto.

Essa peça, em si, não está assinada, mas o slogan é rigorosamente o mesmo da ação promovida pela pasta de Turismo.

Exibições como a do outdoor de Ibaneis ferem o princípio de impessoalidade previsto no artigo 37 da Constituição Federal. É vedada, portanto, a promoção de autoridades em propagandas institucionais.

Veja imagens da campanha:

Campanha para divulgar GDF: ciumeira, cisma e outdoor de Ibaneis
Abrir em Tela Cheia

Esta semana, Ibaneis teve de segurar a batata quente de um anúncio precipitado, segundo o qual a Disney estaria interessada em montar seu primeiro parque na América do Sul. O complexo se encarregou de negar a história, depois de a própria secretaria de Turismo, Vanessa Mendonça, apresentar detalhes sobre o suposto negócio.

Turismo é importantíssimo, claro. Mas viajar demais pode dar efeito rebote.

Fonte – Metropoles