Fraga perde processo contra internauta que o chamou de “bandido”

0

O deputado federal Alberto Fraga (DEM) perdeu na Justiça um processo movido contra um internauta, de quem exigia indenização por danos morais após ser alvo de críticas no Facebook. Segundo a sentença da 1ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), deve ser levado em consideração que parlamentares são pessoas públicas e que suas atuações são passíveis de “repulsão e críticas”. Por isso, nem toda ofensa configura ato ilícito cuja condenação deva gerar indenização.

Segundo alegações de Fraga no processo, o internauta Rodrigo Pilha se aproveitou de um debate democrático no plenário da Câmara dos Deputados para proferir um “ataque covarde, difamatório e caluniador”.

O caso ocorreu em 6 de maio de 2015, quando Pilha postou a seguintes frases: “Deputado ou miliciano? E deputado que age como bandido tem que ser tratado igual bandido? Você com uma arma na mão é um bicho feroz. Sem ela anda rebolando e até muda de voz. #Fragacovarde #Cassação é pouco”.
Alegando conteúdo difamatório, o deputado requereu a retirada das postagens do ar e o pagamento de R$ 30 mil, a título de danos morais.

O juiz Ernane Fidélis Filho negou liminar a Fraga e julgou improcedente o pedido de indenização. “O xingamento feito por cidadãos contra pessoas que encarnam o poder político se não lesa algum bem personalíssimo do xingado, tendo conexão com o embate político, tem pré-exclusão de ilicitude, decorrente da liberdade de expressão, garantida constitucionalmente”, afirmou.

Ainda segundo o magistrado, “fosse outro o contexto, tenderia dar razão ao autor. Mas se o termo, como parece ser o caso, tem por fim caricaturizar a pessoa para ressaltar uma posição política que se combate, não creio tenha finalidade lesiva à pessoa em si do autor e, portanto, não pode ser passível de censura, no nível pretendido”.

No recurso, a Turma Cível manteve entendimento semelhante, negando ter havido abuso do direito de liberdade de expressão na veiculação das mensagens no Facebook, ainda que o réu tenha se utilizado de palavras de baixo calão.

O Metrópoles entrou tentou contato com Fraga por celular e solicitou uma resposta via assessoria de imprensa. Até a publicação desta reportagem, o deputado não havia retornados as ligações nem encaminhado nota.

Fonte-Metropoles

Compartilhe este artigo.

Sobre o autor

Deixe seu comentário