Dilma: como o Temer não tem nada a ver com isso?

0

Dilma Rousseff, presidente deposta no golpe de 2016, concedeu uma longa entrevista à colunista Mônica Bergamo em que atacou a principal estratégia de defesa de Michel Temer, afirmando que é impossível dividir as contas da campanha.

“E como o Temer não tem nada a ver com isso? Na campanha, ele arrecadou R$ 20 milhões de um total de R$ 350 milhões. Nós pagamos integralmente todas as despesas dele. Jatinhos, salários de assessores, advogados, hotéis, material gráfico, inserções na TV. Separar essa conta só tem uma explicação: dar tempo para ele entregar o resto do serviço que ficou de entregar: reforma da Previdência e desregulamentação econômica brutal.”

Dilma criticou duramente o uso das delações do empresário Marcelo Odebrecht como indícios de corrupção no julgamento que pode cassar a chapa presidencial vitoriosa em 2014.

“Eu fico estarrecida, primeiro, com o cerceamento de defesa do qual estou sendo vítima. [Marcelo Odebrecht] está fazendo delação de acordo com seus interesses. Portanto, tudo o que ele diz pode servir de indício para investigar, mas não para condenar. O STF [Supremo Tribunal Federal, que homologou a delação do empreiteiro] nem abriu investigação [criminal]ainda. É estarrecedor que um procurador use como prova o que não é prova.

(…)

Olha, eu tenho a impressão de que o senhor Marcelo Odebrecht sofreu muitos tipos de pressão. Muitos tipos de pressão. Por isso, não venham com delaçãozinha de uma pessoa que foi submetida a uma variante de tortura, minha filha. Ou melhor, de coação.
Ele nunca teve essa proximidade comigo [para tratar de verba de campanha]. Da minha parte sempre houve uma imensa desconfiança dele.”

Na opinião de Dilma, Marcelo Odebrecht nunca a perdoou por ela ter impedido um esquema de corrupção nas hidrelétricas do rio Madeira, em Rondônia.

“Eu era ministra-chefe da Casa Civil em 2007 e supervisionava os grandes projetos do governo como as usinas do complexo do rio Madeira, Santo Antônio e Jirau. E um empresário começou a dizer que estava muito difícil participar do leilão porque havia uma espécie de cartel organizado pelo senhor Marcelo Odebrecht. Eu fui averiguar. E havia um processo de cartelização. Chamada a direção de Furnas [que participou do consórcio], isso foi imediatamente resolvido. Mas não é só. O leilão já estava marcado e ele disse em vários locais que ninguém faria lance se o preço mínimo da energia não ficasse em R$ 130. Decidimos não adiar. E a própria Odebrecht ganhou por R$ 78,87.

Faça as contas e veja a diferença de margem de lucro [que a Odebrecht deixou de ganhar]. Ele nunca deve ter me perdoado.”

Questionada se vai se candidatar novamente, a petista diz não ter esse desejo, mas que isso pode acontecer:

“Eu não quero. Mas posso até ser. Me casse que eu vou passar o tempo inteiro lutando [na Justiça]para não ser cassada e ser candidata.”

Por: Brasil 247

Compartilhe.

Sobre o autor

Deixe um comentário