Ao redor do mundo, junho é considerado o Mês do Orgulho LGBT.  No Brasil, em especial, há diversas instituições que apoiam a causa e defendem direitos de lésbicas, gays, bissexuais, transexual, intersexos e travestis, além de pessoas transgênero. Duas que se destacam são a Casa 1, que acolhe quem é expulso de casa por conta de sua orientação sexual e identidade de gênero, e a Transempregos, que visa colocar transgêneros no mercado de trabalho.

Quer ajudar a Casa 1?

Acesse buscavoluntaria.com.br/casa1  ou clique aqui e colabore

Casa 1 começou como um projeto pessoal do fundador, o jornalista Iran Giusti. Antes de criar um lugar específico para acolher pessoas rejeitadas por conta de suas orientações afetivas sexuais e identidade de gênero, ele as colocava dentro de sua própria casa. Hoje, na sede da ONG, localizada na região central de São Paulo, são oferecidas acolhida, assistência psicológica e atividades culturais.

“Ter uma casa de acolhida pra jovens LGBT expulsos de casa é uma demanda do movimento”, explica Iran. Com inspiração na Casa Nem (Rio de Janeiro) e na Casa Florescer (São Paulo), o jornalista fundou a Casa 1, que comporta até 20 pessoas, em 25 de janeiro de 2017.

Durante sete dias na semana, eles oferecem aulas de inglês, espanhol, costura, maquiagem, yoga e discotecagem. Além disso, a casa tem 12h de programação diária e a Clínica Social Casa 1, que conta com atendimentos médicos e terapêuticos, especialmente para a população LGBT e os moradores da ONG.

Para Iran, o Mês do Orgulho LGBT ajuda a “evidenciar as pautas do movimento, além da luta pela equidade e o combate a projetos tenebrosos como o Escola Sem Partido”. A residência recebe doações de duas maneiras: por contribuição pontual ou por assinatura – em que o interessado pode contribuir mensalmente. Se deseja auxiliar a Casa 1, acesse buscavoluntaria.com.br/casa1  e contribua.

TransEmpregos

A TransEmpregos foi criada em 2013 para ajudar na inclusão de pessoas transgênero no mercado de trabalho no Brasil. Com essa ideia, o programa iniciou suas atividades para inserir no mercado as pessoas que eram desprezadas em processos seletivos pela sua identidade ou orientação sexual.

No começo, a organização criou um banco de dados para unir pessoas da comunidade LGBT a empresas acolhedoras e inclusivas. Dessa maneira, eles não sofreriam com discriminação e preconceito no local de trabalho. Entretanto, a instituição percebeu que também precisava capacitar essas empresas, para que os transgêneros se sentissem mais confortáveis.

Atualmente, além de ser um portal de vagas para as minorias, a TransEmpregos promove palestras para conscientizar colaboradores e habilitar as organizações. Assim, o ambiente fica mais agradável para os empregados e os contratantes. Para os transgêneros que desejam inserir seu currículo no banco de dados, basta acessar www.transempregos.org.

Revolta de Stonewall

Junho ficou marcado como Mês do Orgulho LGBT por conta da revolta de Stonewall. Em 28 de junho de 1969, um grupo formado por gays decidiu combater a violência policial contra os homossexuais. Durante cinco dias, eles ficaram confinados no bar Stonewall Inn, em Nova York, em protesto, e tiveram apoio de pessoas da comunidade LGBT, que formaram uma resistência contra a opressão da polícia. Depois desse marco, 28 de junho ficou conhecido como o Dia Internacional do Orgulho Gay.

SERVIÇO

Casa 1

Contato: centrocasaum@gmail.comSite: http://www.casaum.org/

Colabore: www.buscavoluntaria.com.br/casa1

TransEmpregos

E-mail: casadamaite@gmail.comSite: http://www.transempregos.com.br

LinkedIn: https://www.linkedin.com/company/transempregos/

Leia mais:

Dia Internacional Contra a Homofobia: 45 filmes e séries da temática LGBTQ+

Spotify lança recurso global para celebrar mês do Orgulho Gay

*Esse artigo é uma parceria do Busca Voluntária e do MSN Causas, uma iniciativa global da Microsoft News para divulgar iniciativas sociais e oferecer a oportunidade para os nossos usuários contribuirem voluntariamente com doações.